Mais de três décadas de experiência e excelentes resultados

Currículo!

Estamos atualizando nosso banco de currículos para todas as áreas, envie o seu para selecionadora1@contar.com.br ou se cadastre em nosso site.

Estamos atualizando nosso banco de currículos, envie o seu para selecionadora1@contar.com.br

Como não virar um profissional ultrapassado em meio ao avanço da tecnologia

Boa parte de seus bens ficará obsoleta até o fim deste ano. Pense em sua TV, em seu computador ou em seu celular. No momento em que você está lendo esta notícia, algum lançamento está transformando seu aparelhinho recém-comprado em peça de museu.

Trata-se de uma estratégia da indústria chamada “obsolescência programada”. Faz parte do plano de negócios de fabricantes de telefones, de roupas ou de carros prever o envelhecimento de seus próprios produtos para que consumidores sintam a necessidade de comprar novos modelos e assim manterem-se atualizados.

Pode parecer maléfico, mas é competição pura: em um mercado livre, sempre aparece alguém capaz de fazer um produto ou serviço melhor. Nenhuma consultoria inventou ainda a obsolescência programada de pessoas, mas a sensação de estar defasado na carreira incomoda muitos profissionais.

Os especialistas afirmam que o mercado está mais exigente, e mesmo as pessoas competentes estão sendo demitidas. Isso tudo gera uma ansiedade no profissional e uma pressão para que ele se mantenha inteirado o tempo todo. O que antes conferia status de sabedoria hoje é visto como indício de desuso. Até dez anos atrás, passar dos 40 significava ganhar respeito e reconhecimento dos colegas. Hoje, não há mais garantias.

Embora exista uma valorização recente de profissionais veteranos em diversas áreas onde há escassez de mão-de-obra qualificada, as empresas contratam e promovem rapidamente jovens para substituir os mais velhos com o objetivo de reduzir despesas.
Segundo os especialistas, trata-se de um engano traçar uma linha entre as gerações. Existem jovens com pouco conhecimento digital e pessoas mais velhas que dominam esse universo. No entanto, a pressão que os trabalhadores sofrem é para que eles mesmos cuidem da própria carreira e do desenvolvimento de suas habilidades.

Mania de sabe tudo
A mais importante medida para um veterano não se transformar num dinossauro de escritório é manter a conexão com os mais jovens. Quem ficou para trás não percebe sua situação. O grupo em que essa pessoa está inserida é que percebe e emite sinais. É preciso ficar atento a eles.

Como ocorrem com produtos que ficam velhos logo após o lançamento, alguns profissionais começam a se preocupar em evitar a obsolescência antes mesmo de amadurecer. Nos próximos anos, as pessoas conseguirão encontrar um ponto de equilíbrio. O melhor a fazer é usar o medo de ficar para trás a seu favor. A obsolescência não é o fim, é apenas o início de alguma coisa. Se seu conhecimento está ficando velho, aprenda algo novo.

Assessoria de Imprensa – ABRH-SC Jaraguá do Sul

10 erros que fazem seu currículo ir para o lixo

O currículo é o primeiro contato do empregador com o candidato. Se há problemas com esse documento básico, mesmo um bom profissional pode ser desqualificado para uma entrevista.

Com a ajuda de especialistas em RH, listamos alguns equívocos frequentes em CVs que espantam os recrutadores. Veja abaixo o que evitar no seu “cartão de visitas” profissional:

1. Falta de dados pessoais

A ausência de informações importantes como idade, contatos ou endereço residencial no CV pode atrapalhar um candidato.

“Se não possuir logo de cara dados básicos sobre o candidato, é provável que o recrutador passe logo para o próximo”, afirma Ricardo Karpat, diretor da Gábor RH.

2. Excesso de dados pessoais

Incluir informações demais sobre você é tão ruim quanto apresentar poucas. “É completamente desnecessário apresentar no currículo números de documentos como CPF e RG”, diz Erica Isomura, especialista em RH no Vagas Tecnologia. Sua foto pessoal também é dispensável, com raras exceções.

3. Lacunas sem explicações

Na descrição das experiências profissionais, é importante não deixar nenhum período descoberto. “Por exemplo, se você escreve que trabalhou numa empresa de 2000 a 2002, e só menciona o próximo vínculo empregatício em 2006, o recrutador vai se perguntar o que aconteceu nesses 4 anos da sua vida”, diz Karpat.

4. Mentiras

Escrever no currículo que você fala inglês fluentemente se o seu nível é intermediário, por exemplo, é um tiro no pé.

De acordo com Paulo Dias, diretor da unidade de recrutamento e seleção da Mariaca, transparência é essencial. “Se você mentir no currículo, será desmascarado na entrevista, e vai ser muito pior”, explica.

5. Erros de português e falta de revisão

Os três especialistas ouvidos foram unânimes e enfáticos sobre a impressão negativa causada por um currículo escrito fora da norma culta da língua.

O mesmo vale para problemas de digitação. “Não basta passar o corretor ortográfico, é preciso revisar atentamente os textos que você escreve”, alerta Erica Isomura, do Vagas Tecnologia.

6. Tamanho exagerado

Para um candidato em início de carreira, uma página é suficiente para o CV. No caso de profissionais mais experientes, o limite pode ser de duas a três páginas, na opinião de Paulo Dias, da Mariaca.

“Currículos muito longos e prolixos dificultam a localização de informações importantes”, explica.

7. Autoavaliação sobre comportamento

Não é recomendável usar qualificações elogiosas a sua maneira de ser no currículo. “Gabar-se sobre o quão ousado você é pode até irritar o recrutador”, afirma Dias.

O ideal é deixar esse julgamento para quem vai entrevistar você. Ainda assim, vale usar adjetivos mais concretos, como “sólida experiência” ou “intenso contato com a atividade X” na síntese de qualificações.

8. Formatação “criativa demais”

Para a esmagadora maioria dos profissionais, o texto do CV deve vir em fontes clássicas como Times New Roman e Arial, em tamanho legível e na cor preta. Usar negrito, itálico ou sublinhado também é permitido.

“Para cores, no máximo uma, e de preferência sóbria, como cinza ou azul”, explica Karpat, da Gábor RH. A exceção existe para designers e outros profissionais ligados a criação e arte.

9. Derrapar na versão em inglês do currículo

“CVs mal traduzidos deixam uma péssima impressão no recrutador”, afirma Paulo Dias, da Mariaca. Segundo ele, usar ferramentas como o Google Tradutor, por exemplo, transmite descaso ou falta de domínio da língua estrangeira.

10. Ser evasivo e/ou ambíguo

“Às vezes recebemos currículos que não esclarecem o nível de experiência, o objetivo e nem sequer a área em que o candidato pretende trabalhar”, conta Erica Isomura, do Vagas.

Outro erro comum é ser vago na descrição das suas experiências ou não mencionar todos os cargos ocupados em cada passagem profissional.

Fonte: Claudia Gasparini – Exame.com

 

Como planejar a carreira

Por Isaura Ferreira 

O planejamento de carreira é fundamental, a fim de que o profissional estabeleça um objetivo claro e opte por um compromisso consigo mesmo, para entrar em ação e chegar ao lugar que deseja. É importante ressaltar que o planejamento de carreira, não deve ser inflexível, mas deve servir como uma alavanca para alcançar o sucesso.
Durante a trajetória profissional, podem surgir algumas situações e oportunidades, que não estavam previstas no planejamento e cabe ao profissional estar atento para avaliar se deseja aproveitá-las ou não. Algumas dicas para ajudar no planejamento de carreira:
Analise sua realidade
O primeiro passo para realizar um planejamento de carreira é analisar a sua realidade. Faça uma análise sincera sobre seus objetivos e os resultados que está obtendo. De zero a dez, quanto você está satisfeito com a sua carreira neste momento? Você está usando seus talentos, pontos fortes e conhecimento de forma produtiva, a fim de gerar os resultados que você deseja? Como você se enxerga hoje em relação à sua carreira? Entender a sua realidade é fundamental para estabelecer um propósito claro de carreira.
Tenha um objetivo claro
Que objetivo você quer alcançar? Uma promoção? Mudar de emprego? Mudar de carreira? Ter o próprio negócio? Ter mais qualidade de vida no trabalho? Equilibrar melhor vida pessoal e profissional? O seu objetivo de carreira deve estar alinhado com os seus valores pessoais e propósito de vida. O que você realmente deseja para sua carreira? E que impactos isso terá na sua vida pessoal? Se você não definir com clareza seus objetivos em relação à carreira, pode ser levado por um caminho que você não deseja.

 

Pesquise o mercado que irá atuar
Você já pesquisou o mercado que quer atuar? Ou a empresa que deseja trabalhar? O que você tem de bagagem que pode contribuir melhor com a oportunidade que você deseja? O que falta para que você esteja mais bem preparado? Quando e como você vai começar a buscar aquilo que falta, para que você esteja habilitado a merecer esta oportunidade?

 

Estabeleça um plano de ação
O que você quer para a carreira daqui a um, dois ou cinco anos? É importante escrever o que você deseja e dividir cada objetivo, em etapas menores. Coloque um prazo para concluir cada etapa. Avalie que recursos você precisará para concretizar o objetivo. Desta forma, você pode acompanhar seus resultados, a fim de verificar se suas ações estão te conduzindo ao objetivo desejado e, se necessário, realizar mudanças.
Amplie sua rede de contatos
Pesquisas indicam que um número cada vez maior de pessoas, encontra oportunidades de carreira e negócios através do networking. Cultivar a rede de contatos é um excelente instrumento de integração entre pessoas de diversas áreas, possibilitando oportunidades únicas. Mas, para isso, você precisa deixar claro o seu objetivo, a fim de que seus contatos saibam o que você necessita e possam ajudá-lo.

 

Prepare-se para mudanças
Você precisa perceber os resultados que está obtendo por meio de suas ações e alterá-las imediatamente, caso alguma delas estejam te afastando do seu objetivo. Perceba o que lhe acontece diariamente e se você está obtendo aquilo que não deseja, ao invés daquilo que realmente quer. Analise os resultados das suas ações e altere-as sempre que necessário. É preciso ter flexibilidade para mudar o comportamento até conseguir alcançar a sua meta. Tenha sempre um plano B, mas sem perder o seu foco.


Maximize sua performance

Como você pode ampliar sua performance? Que capacitações você pretende fazer e que irão ajudar a decolar sua carreira e melhorar seus resultados? Invista em cursos, palestras, livros. Também é importante alimentar a autoconfiança. Acreditar que é capaz de realizar seus projetos é essencial para obter sucesso. Analise os momentos de carreira que você obteve triunfo e verifique que atitudes teve e que o levaram à conquista naquele momento e que você pode fazer novamente. Relembrar os momentos de sucesso fortalece sua autoconfiança.

Seja autor e protagonista de sua vida!

Por Cynthia Mastropascha para o RH.com.br

Hora de fazer um balanço dos resultados e definir novas metas, pensar em um novo ciclo, planejar e focar energia em objetivos relevantes para os próximos anos de sua vida.

Lembra quando éramos crianças, que nos enchíamos de energia só de sonhar o que gostaríamos de ser quando crescêssemos? Depois que crescemos, devido ao nosso dia a dia, deixamos os sonhos de lado e quando percebemos o tempo passou e muitos sonhos ficaram engavetados.

Os grandes projetos de vida estão baseados na construção dos sonhos, sejam eles de infância ou atuais. Os sonhos são as nossas visões de futuro. Então, tire seus sonhos da gaveta, defina objetivos olhando as várias áreas da sua vida.

Os objetivos nos dão a direção e, em geral, têm prazos longos para que aconteçam. Sendo assim é necessário quantificá-los, atribuir-lhes metas, detalhar o que queremos alcançar, definir tempo e recursos necessários para as ações.

Para pensar em novos objetivos e estabelecer as metas, que realizem seus sonhos, é fundamental que você avalie sua situação atual: onde você está e aonde quer chegar.

Faça uma avaliação geral, pense nas áreas da sua vida e quais os resultados que foram atingidos até hoje. De “0” a “10” como está seu nível de satisfação? A partir dai defina objetivos e metas para cada área. “Ah, mas eu não sei fazer isso!”. É simples, pergunte a cada área de sua vida e seja sincero nas respostas, assim você saberá como iniciar seu planejamento.

Carreira – Ela está da forma que gostaria? Existe algum conhecimento a ser adquirido? Que tal iniciar aquele curso de inglês, espanhol em 2013? Até onde você quer chegar, no campo profissional? Gerente, diretor, ser um empreendedor de sucesso?

Relacionamentos – Seus relacionamentos com família, amigos e vida amorosa estão do jeito que você gostaria? O que você planeja para esta área: fazer mais amigos, casar, ter filhos? Aumentar seu networking para ter mais possibilidades de trabalho?

Saúde e forma física – Você está cuidando da saúde como deveria? Tem disposição e energia? Que tal marcar aquele médico que você sempre deixa para próxima semana? Quer emagrecer, ser um atleta? Sem saúde todas as outras áreas ficam em risco.

Espiritualidade – Está cuidando dela? Ou só pensa nela em momentos de dificuldades, de crises?

Financeiro – Você se sente próspero? Quais resultados obtidos até hoje? Defina quanto quer ganhar e em que tempo. Relacione esta área com os objetivos de carreira.

Para que as metas transformem-se em resultados, atente para alguns pontos importantes:

1. A meta tem que ser relevante – O resultado é importante para você e outras pessoas? Como você se sentiria, caso atingisse esse objetivo? A relevância é o combustível para ação, se for realmente importante estará em sua mente e em seu coração diariamente, fazendo com que você tenha disciplina e coragem para fazer o que tem que ser feito.

2. A meta deve ser positiva – Defina metas positivamente: eu quero um novo emprego para evoluir em minha carreira e me tornar mais próspero. Nosso cérebro não reconhece a palavra “não” – ele a processa como imagem. Assim, quando você pensa de forma negativa, você traz à sua mente justamente o que não quer.
Um exemplo? Não pense em um elefante cor de rosa! Pronto lá está o elefante em nossa cabeça.

3. A meta deve estar escrita e visível – O que não se escreve não se torna visível e facilmente é esquecido. Escrever e deixar visível desenvolve disciplina e comprometimento com a ação.

4. Simples e especifica – Para que nosso cérebro não fique confuso, é necessário que ele saiba – de forma específica – aonde você quer chegar e o que tem que fazer. Exemplo: “Eu quero um novo emprego, cuja remuneração seja 20% maior do que a atual e no prazo de seis meses”. Quanto mais específica, menor a possibilidade de interpretações duvidosas e mais chances de ser atingida.

5. A meta tem que ser atingível – É possível no seu contexto hoje em dia? O grau de dificuldade para ser realizada é alto ou baixo? Se for muito alta, ela se torna irreal e desmotivadora.

6. Estabeleça um prazo para ser executada – Qual a data de entrega? Considerar apenas o mês, não se traduz em resultado, importante estabelecer dia, mês e ano.

7. A meta precisa ser mensurável – Consigo observar e avaliar os resultados? É muito importante que ela seja estabelecida com parâmetro de valor, quantidade, peso, datas, percentagens e outros que você definir. Só com um referencial concreto é que podemos saber onde estamos e aonde queremos chegar.

8. Defina quais são os recursos que vai precisar – Do que vai precisar? Recursos financeiros, conhecimento, tempo, habilidades e capacidades pessoais? Faça um levantamento de tudo e todos que possa lhe ser útil. Essa etapa pode poupar a você bastante tempo, energia e dinheiro, além de permitir chegar ao resultado de uma forma mais tranquila e segura.

9. Acompanhe sua meta – Defina um período para acompanhamento de resultados. Por exemplo, a cada três meses. Este exercício fará com que você não perca seu objetivo de vista e facilitará mudança de rumo caso aconteça algum imprevisto.
Mais uma vez, veja a importância dela estar escrita e visível diariamente!

Você tem todos os recursos necessários, basta acioná-los:

– Use sua imaginação, ela estimula seu cérebro a conceber novas ideias e sonhos, mas se lembre que sonhar é o “ponto de partida”. Partindo dele é necessário definir objetivos e metas que tragam o resultado esperado.

– Esforço, afinal nada acontece sem muito trabalho! Deixe a preguiça de lado, ela é um dos principais fatores de fracasso de nossas metas.

– Tenha disciplina! Disciplina é um hábito construído diariamente.

– Tenha entusiasmo, ele influencia as pessoas e o ambiente positivamente.

– Comemore os resultados, só nós sabemos os obstáculos ultrapassados para ter resultados.

– Tenha coragem, persistência e paciência. Avalie bem quais são os ganhos e as perdas ao definir suas metas, afinal sempre que escolhemos um caminho, abrimos mão de outro.
Aceite o desafio! Viva com disciplina e crie um propósito para os próximos 90 dias.

O que você iniciaria? O que você não faria mais?

Observe, pois novidades surgirão!